sexta-feira, 1 de outubro de 2010

É a vida!

Às vezes acho que sou muito mais resistente do que penso que sou. Tenho, apesar das minhas fragilidades, uma grande capacidade de aguentar. Vou aguentando, aguentando até atingir o limite. Estas últimas semanas estive muitas vezes perto do limite, mas consegui sempre levantar-me da cama e ir trabalhar. Resisti, mais uma vez.


Têm sido semanas loucas. Semanas com uma quantidade de trabalho absurda e que o meu cérebro fraquinho e fragilizado não consegue gerir. Primeiro estive a aprender um novo trabalho, a ensinar a uma colega o meu antigo trabalho e a fazer um outro trabalho que recentemente me foi atribuido. Ontem fiquei responsável pelo novo serviço, mas nem por isso deixei de ser a responsável pelos outros dois que fazia antes. Estou então a fazer o trabalho que antes era feito por três pessoas.


Não consigo contar as vezes que chamam o meu nome durante o dia para me falarem de três áreas diferentes, exigindo às minhas petites células cinzentas que mudem de foco constantemente. Quando estou a tentar concentrar-me num trabalho, chamam-me com urgência para outro. E é assim o dia todo. Enfim, não sei por quanto tempo o Tico e o Teco se vão entender. Mas estou espantada por ainda não ter cedido. Senti-me já muitas vezes à beira de um breakdown. Não conseguiria dizer isto melhor em português. Esta palavra inglesa é perfeita ao combinar as ideias de quebrar e cair. Estive quase a quebrar e cair, mas ainda estou de pé.


Para somar a isto tudo sinto o desânimo de estar a gastar o meu cérebro com um trabalho que não me dá qualquer tipo de prazer, só stress, problemas e uns tostões no final do mês. A minha licenciatura em tradução está cada vez mais na gaveta e em cima da secretária, estão contas, receitas e despesas, acidentes escolares e auxílios económicos, processos do SASE e cartões escolares.


Acho que dá para entender porque não tenho actualizado o blog nos últimos tempo, porque já sabia que desta situação só saíria lamúria atrás de lamúria.


Mas o que vale é que, como já dizia a Scarlett O'Hara, tomorrow is another day e felizmente é Sábado.

6 comentários:

Inside me disse...

Somos sempre mais fortes do que pensamos...

E o importante é não desistir...de lutar...de sonhar...

Vá força aproveita o fim de semana para descansares a cabeça... um passeio relaxante... um cinema...

beijos

Luciana Håland disse...

Isabel, é complicado, em muitos momentos vemos tanta coisa que não nos satisfaz, pelo contrário, nos aborrece, que realmente pensamos em nem levantar da cama, mas aí vem essa energia que você tem recebido/despertado e nos move. Espero que tudo melhore e que você continue com energia para resistir, um dia as coisas se ajeitam. Aproveite o final de semana e descanse bem, e não ligue se usar o blog pra dar uma desabafada, acho que faz bem, e nós leitores estamos aqui para dar um suporte.

Beijo

Dani disse...

Isabel,

Em relação ao recado que me deixaste no blog: é claro que és tradutora! Veja bem: eu estou trabalhando com tradução no momento, mas também não sou capaz de viver só de traduções - então, por esta lógica, também não sou! Se o meu projeto atual termina amanhã, também não tenho o que fazer. Tens é de encher a paciência dessa gente das agências, etc, há muito trabalho por aí, e muita gente sem conseguir dar conta, então, é ficar insistindo, insistindo. Olhar os anúncios todos os dias! Cansa, eu sei, mas é o jeito!
Enquanto isso, respira fundo, pois este vendaval há-de passar. E encontrar um tempinho para relaxar, para que haja o equilíbrio com isso tudo. Eu acho que procurar por outras pastagens também sempre ajuda a suportar a mesmice.
Um beijo, te cuida!

Cláudia M. disse...

És uma pessoa forte, muito forte até.
Não era qualquer um que aguentava essa situação, e por muito menos do que isso há muita gente que vai de baixa.
Mas também tens que mostrar os teus limites, sob pena de chegares mesmo ao humanamente insuportável. Já imaginaste um professor aí da escola a leccionar Português, Filosofia e Química, em full-time? Pergunta ao B.
Não me parece que se saísse muito bem... ;)

pat disse...

É isso aí, bola prá frente, Isabel. Acho que a grande maioria das pessoas está como você: se adaptando o melhor que pode. Claro que você é forte! Já tinha percebido há muito tempo. Sensibilidade não é sinônimo de fragilidade. Força! Apesar de nossos ideais de futuro aparentemente não terem se concretizado, o futuro ainda não acabou. E ele pode trazer novidades e oportunidades insuspeitadas. Se não trouxer, paciência, vamos dar o troco e nos divertir e muito, nem que seja só aos sábados. Beijo grande Pat

Noémia disse...

Óh Isabelita, já não passava por aqui há uns tempos porque também a mim me sobra trabalho e faltam as energias para dividir por tudo o que gosto.
Gostei imenso do teu relato e compreendo-te tão bem...! :)
Sabes que o ser humano é uma caixinha de surpresas e quando parece que está à beira do colapso (seja ele qual for) consegue sempre ir buscar umas forças mais além e superar-se. Força! :)