quarta-feira, 8 de Outubro de 2014

Avelãs para dar as boas vindas ao Outono

Quando eu era pequena meti na cabeça que não gostava de avelãs. Depois, já adulta, evitava tudo que tinha avelã com base nessa ideia. Acho que com a idade algumas esquisitices vão embora (aparecem outras!) e agora eu acho o sabor da avelã muito agradável.
 
O Verão este ano foi fraco,  por isso não estávamos com muita saudade do Outono, mas de qualquer maneira ele está aí, agora oficialmente, por isso há que recebê-lo de braços abertos e eu acho que avelãs sabem a outono.
 
Uma vizinha esteve de férias na quinta dos pais no norte e touxe-me uma grande quantidade de avelãs super saborosas. Como eram muitas eu comecei logo a pensar em como usá-las nuns bolinhos. Tinha também ainda algum coco ralado que não sabia bem como usar e resolvi juntar as duas coisas. Triturei muito bem as avelãs e triturei também o coco ralado para ficar o mais fininho possível. Juntei tudo e usei como parte da farinha dos bolinhos. Como foi uma primeira experiência resolvi fazer pouca quantidade só para ver qual seria o resultado.
 

Fiz assim:

Ingredientes

3/4 chávena de avelãs trituradas
2 colheres de sopa de coco ralado triturado
1/2 chávena de farinha sem glúten (Doves Farm Self Raising White Flour)
1/2 colher de chá de canela
1/2 chávena manteiga derretida
2 ovos
3/4 chávena açúcar amarelo

Preparação

Combinar a avelã, o coco, a farinha e a canela num recipiente.
Combinar a manteiga, os ovos e o açúcar e bater por 30 segundos.
Incorporar lentamente os ingredientes secos e bater por 1 minuto.
Levar ao forno e voilá!



O resultado ficou bastante agradável.

terça-feira, 5 de Agosto de 2014

Pão de Linhaça

Nas duas semanas que estive de férias em Julho portei-me muito mal, ou seja, comi tudo o que me apeteceu comer. Comi muito açúcar, comi muito pão de trigo alentejano, enfim, férias são férias e eu quis relaxar completamente e como não estava em casa era difícil manter a alimentação que normalmente faço.
 
Agora que voltei à rotina do trabalho voltei às preocupações alimentares e senti vontade de desintoxicar o organismo. Vi este pãozinho muito simples aqui e senti logo vontade de fazer. 
 

Como sempre não segui a receita à risca porque não tinha coco em casa, então usei a farinha sem glúten que costumo usar, esta.


Fiz assim:

Ingredientes

5 ovos
1 chávena de linhaça dourada bem triturada
1 chávena de farinha sem gluten
2 colheres de sopa de azeite
meia chávena de água
1 colher de chá de sal
1 colher de sopa de fermento

Preparação

Separe 3 claras das gemas. Bata as claras em castelo e reserve. O restante dos ovos e das gemas passe pela peneira. Na batedeira misture os ovos e todos os outros ingredientes excepto o fermento. Quando estiver homogénio adicione o fermento e as claras em castelo e incorpore com delicadeza.
Coloque numa forma a gosto e leve ao forno pré-aquecido por cerca de 25 minutos ou até o palito sair limpo.
Congelei metade em fatias e depois de descongelado fica igualmente bom.

 
Acho que se come muito bem, apesar de no início estranhar o sabor intenso da linhaça. Talvez com a farinha de coco fique com um sabor menos intenso a linhaça. Para a próxima experimento.

segunda-feira, 23 de Junho de 2014

Alfarroba

Andava curiosa sobre a farinha de alfarroba, queria conhecer melhor a sua textura e trabalhar com o seu sabor achocolatado. Comprei um pacotinho e comecei a experimentar. Fiz algumas tentativas de biscoitos mas não saíram grande coisa, basicamente porque eram adaptações de receitas com glúten. Depois procurei melhor e encontrei esta receita, que me agradou.

 
Segui a receita  na íntegra, com excepção do açúcar de côco e da stevia que substitui por açúcar amarelo, aumentando a dose para 50 gr. Usei pela primeira vez o óleo de côco que acho que dá um aroma muito leve e agradável aos biscoitos. Gostei.


 
Os biscoitos ficam realmente com um leve sabor achocolatado, que é muito agradável. Esta é uma receita para repetir.


segunda-feira, 16 de Junho de 2014

Thought worm/ Ear worm

True Detective mexeu comigo. De tal forma que ainda sou assolada por  imagens, diálogos e ambientes três dias depois de ter terminado de ver. E a música não me sai da cabeça.

segunda-feira, 26 de Maio de 2014

Beijus de Tapioca

Aquilo que neste post eu dizia ser impossível de fazer em Portugal é afinal muito fácil. Graças à inspiradora Neide, percebi que é muito fácil fazer o chamado Beiju de Tapioca através do polvilho doce. Segui as instruções da Neide, neste e neste post e voilá: o beiju.
 
 
É muito fácil:
 
250  gr polvilho doce
125 ml água
Pitada de sal
 
Lentamente vamos deitando a água e amassando o polvilho, que vai formando torrões.
Depois é só peneirar em cima de uma frigideira anti-aderente e fazer o beiju, um ou dois minutos de cada lado e já está.
A farinha pode guardar-se hidratada no frigorífico durante 3 dias coberta com um pano húmido. A qualquer hora tiramos, puxamos da frigideira e fazemos uns beijuzinhos maravilhosos.


O primeiro que fiz comi com banana e mel, uma ideia que eu tinha fisgada e é muito bom. O sabor neutro da tapioca vai bem com tudo e adoro a sua textura de goma.



Tenho que dizer que estou fã do beiju em todas as suas formas. Já experimentei doces e salgados e até simplesmente barrado com manteiga. Como diz a Neide, nhac!

segunda-feira, 19 de Maio de 2014

Dilemas alimentares

Há certos hábitos que são difíceis de quebrar. Gosto de leite, da textura, do sabor, de como acompanha bem um pãozinho, umas bolachas, cereais, de como se pode tão facilmente cozinhar com leite, fazer umas panquecas, um mingauzinho, etc. Para mim é difícil achar substitutos que cumpram todos os requisitos. Já comprei várias vezes leite de amêndoa, por exemplo, mas não me sinto confortável a aquecê-lo ou cozinhá-lo e eu gosto muito de cozinhar com leite.
 
Nesta tentativa de substituir o leite resolvi fazer o leite de amêndoa em casa para poder fazer estas panquecas. O leite ficou bom, muito bom e fez umas panquecas deliciosas, mas confesso que não tenho paciência para fazer disto uma prática comum. Juro que admiro as pessoas que fazem tudo em casa e numa vida ideal é isso que eu defendo, consumir alimentos de verdade, não processados, mas por outro lado eu sou aquela pessoa que adora a liberdade de abrir o frigorífico, retirar um pacote que comprou no supermercado e usar. Dilemas da vida moderna.
 
Voltando ao leite de amêndoa, como se sabe, o resultado de fazer leite de amêndoa é uma quantidade absurda de polpa de amêndoa que eu nunca na vida iria desperdiçar. Encontrei esta receita que me pareceu interessante e fiz uns biscoitinhos de amêndoa e chocolate branco.
 

 

Sou 100% a favor de aproveitar o que se tem em casa e por isso quase sempre altero as receitas. Neste caso troquei o chocolate negro pelo branco porque era o que tinha em casa. Do resto segui a receita na íntegra e ficaram muito bons.
Termino por dizer que, segundo algumas informações que tenho recolhido, o consumo exagerado de amêndoas pode ser prejudicial. Por isso deixo um link com informações detalhadas sobre esse assunto, de um blog que me parece sério na sua abordagem dos alimentos. E deixo também o conselho: consumam amêndoas com moderação.
 

quarta-feira, 7 de Maio de 2014

Panquecas de Banana


Fazer uns bolinhos de frigideira é a coisa mais fácil do mundo e o resultado é sempre bom. As panquecas são muito versáteis, podem ser servidas com qualquer tipo de acompanhamento a gosto ou mesmo simples, sem nada a acompanhar.
 


Estas são sem glúten e sem lactose e são igualmente saborosas. A mistura da amêndoa e da banana dá-lhes um sabor muito agradável.

 
 
Ingredientes:
 
1/2 chávena de farinha sem glúten (usei esta)
1/2 chávena de amêndoa triturada
1/2 chávena de leite de amêndoa caseiro
3 ovos
pitada de sal
uma banana madura
 
Preparação:
 
Junte todos os ingredientes na misturadora por 30 seg. Deixe a massa repousar 1 minuto. Entretanto aqueça a frigideira com um bocadinho de manteiga. Quando começarem a aparecer as bolhas na panqueca vire para cozinhar do outro lado por 1 minuto.