terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Égoïste

A minha psi diz-me que tenho que ser egoísta. Será que eu consigo?



Lembram-se disto? Já lá vão 20 anos. Não, não quero chegar ao extremo do senhor do anúncio que levou aquelas mulheres todas à loucura! Mas um bocadinho de egoísmo se calhar não me faria mal.

6 comentários:

Raquel Mendonça disse...

Consegue, sim! Mas pra tudo tem um limite, e vc há de encontrá-lo!! Olha, posso te indicar um livro? Estou lendo também, e até então tem ajudado muito! Chama-se "O homem a procura de si mesmo" (claro, essa é a tradução para o PB), mas o autor é Rollo May, acho que vc deve encontrar. Vale a pena! Estou na torcida!! :) bjs congelados de Budapeste

Isabel disse...

Raquel,
obrigada pela dica do livro. Vou procurar. Ainda bem que te ajudou. Torço por ti também. Budapeste deve estar fresquinha, deve :))
Bjs

Dani disse...

Um certo egoísmo, querida, daquele tipo que não prejudica ninguém, é ferramenta essencial de sobrevivência. Todos nós temos direito a priorizarmos a nossa vida de vez em quando.
Aprendi isso recentemente, numa esfera mais pessoal: se não se importam comigo, por que vou eu me importar com os outros? Sem ressentimentos, vou focar em mim, que preciso sobreviver tanto quanto os demais.
Cuidado e atenção têm de ser mútuos.
Um feliz Ano Novo atrasado para você, que merece!
Beijocas!

Isabel disse...

É isso mesmo, Dani, "cuidado e atenção têm de ser mútuos". Tenho que deixar de lado quem não se importa comigo.
Um ótimo ano de 2011 para ti.
Bjs

Cláudia M. disse...

A palavra Egoísmo tem uma conotação negativa, e na verdade é-o, se for levada à letra. Claro que uma pessoa não se pode preocupar APENAS consigo própria, senão é preferível ir viver para uma ilha...
Mas não há dúvida de que de uma certa dose de egoísmo todos nós precisamos, e isso é saudável, não nos podemos (ou não nos devemos...) deixar prejudicar em prol do bem-estar dos outros, o nosso bem-estar deve ser, SIM, a nossa principal preocupação.
A única excepção que me ocorre é o bem-estar de uma criança que esteja dependente de nós, aí o caso é diferente. Agora abdicarmos do nosso bem-estar pelo de outros "maiores e vacinados", isso é que não...
Cuida-te!

Isabel disse...

Estou a tentar cuidar-me, mana.
Bjs