sexta-feira, 17 de abril de 2009

Roma - Diário de Viagem (Cont.)

No terceiro dia em Roma andámos a passear pelo centro storico. O centro histórico da cidade é lindíssimo. As casas, as mil igrejas, as mil e uma fontes. Tudo simplesmente maravilhoso.

A fonte da primeira fotografia é famosa. Aparentemente a tradição de atirar uma moeda para a Fonte de Trevi e pedir um desejo já acabou. Moedas lá dentro não havia. À volta da fonte estava uma multidão de turistas de todas as nacionalidades e tive que furar por entre muita gente para chegar perto da água. De todas as fotos que tirei lá, esta é a que está menos "poluída", mas mesmo assim aparece um boné! A fonte é sem dúvida muito bonita e achei a sua localização, num pequeno largo, muito surpreendente.


Fontana di Trevi


Mais uma multidão na Piazza di Spagna


Na Piazza della Rotonda, encontrei o maravilhoso Panteão. Uma construção impressionante pelo seu maravilhoso estado de conservação. Esta magnífica obra foi erigida originalmente por Agrippa, nos últimos tempos da República Romana, em 27 A.C., mas depois de ser destruído por um incêncio foi totalmente recuperado no ano 125 pelo imperador Adriano. O imperador fez questão de manter a inscrição do monumento original, que diz qualquer coisa como "feito por M. Agrippa, terceiro consul". Eu nunca fui muito boa aluna a Latim, mas isto dá para perceber! O nome de Panteão é de origem grega, "pan" que significa todo e "théos" que significa deus e, como o nome indica, é dedicado a todos os deuses. Foi dos monumentos que mais gostei de visitar em Roma, um edifício que se encontra em perfeito estado de conservação desde o ano 125 da nossa era, é obra! O edifício não necessita de luz artificial, pois na sua cúpula existe um "óculo" que deixa entrar a luz natural. É simplesmente maravilhoso.

Panteão


Panteão


Piazza della Rotonda


Depois a Piazza Navona com as suas maravilhosas fontes, também elas projectadas por Miguel Ângelo. No último post sobre Roma cometi um lapso ao escrever que Michelangelo tinha morrido novo. Peço desculpa pelo erro, na verdade ele morreu aos 89 anos. Daí ter tido bastante tempo para as suas inúmeras criações! No centro da praça está a Fontana dei Quatro Fiumi, que representa os quatro grandes rios que, no séc. XVI, se pensava serem os maiores do mundo. Na foto abaixo, temos o Rio Nilo de cabeça escondida, pois na época não se conhecia a nascente do rio.


Pormenor da Fontana dei Quatro Fiumi

O passseio continuou entre ruelas antigas até ao maravilhoso mercadinho de Campo di Fiori. Amei este mercado. Gosto imenso de mercados de rua e este é a coisinha mais linda.



Fiori em Campo di Fiori



Mais flores




A banca das ervinhas aromáticas


Uma festa de cor

É engraçado como de todos os países que visitei, Itália foi aquele onde me senti mais em casa. Também não visitei assim tantos países, claro. Mas, depois de Espanha, França e Inglaterra, Itália soube-me mais a home sweet home! Engraçado, não é?

8 comentários:

Noémia disse...

Ai Itália, que saudades!
Acabei agora mesmo de reviver tudo nessa tua caminhada!A 1ª vez que vi a fonte de Trevi senti-me encurralada. Uma fonte tão imponente num espaço tão exíguo e cheio de gente!
Tal como tu adoro Itália e sinto-me lá em casa. Eu acho que é pela maneira de ser deles muito parecida com a nossa.:)

ameixa seca disse...

Também quero conhecer Itália um dia :) Acho que me sentiria em caa tal como tu!

Heloísa disse...

Isabel,
Também já tive a sorte de fazer todos esses passeios que você descreveu, excetuando o do mercado de flores. Também gostei demais deles. A Fontana de Trevi é tão imponente que realmente é uma surpresa sua localização num largo acanhado. O Panteon, como você disse, é fantástico.
Quanto a sentir-se em casa, acho que só tive essa impressão pela língua latina.
Beijos

Cláudia M. disse...

Realmente, quem olha para essa fonte imponente, imagina-a num sítio enorme. É difícil imaginá-la num largo assim tão pequeno.

Tudo lindo, vou começar a encher um porquinho com moedas!

Claudia disse...

Isabel,

Itália é uma grande mãe para nós povos latinos. Sente-se uma estranha conexão mesmo já que a diferença entre os povos em si é grande.

Eu gosto da Itália, muito, mas não me sinto tão a vontade e confortável. Talvez ainda não tenha visitados os pequenos vilarejos, mas as cidades grandes. Sei lá.

As fotos estão lindas. Gostei das peonies, custam 15 euros é isso? E dos temperos pendurados na feira.

Lindos.

C.

Isabel disse...

Meninas, este tema de se sentir em casa no estrangeiro é um tema muito interessante. É claro que casa é só uma, a nossa. No meu caso este rectângulo à beira mar plantado, chamado Portugal! Mas senti-me tão bem em Itália, que quase não havia aquela sensação de estar no estrangeiro. Acho que por tudo ser um pouco familiar: a língua, a história, a comida. Mas este temas também dava pano para mangas!
Beijos a todas

Cenourita disse...

Bem... eu estou a conhecer Roma vista por ti, és uma excelente guia turística. Nunca fui a Itália e esse é um dos meus destinos mais desejados bem como a Grécia.
As fotos estão excelentes :)

Beijocas***

TiTó disse...

As fotos tão fantásticas :) Gostava muito de ir a Roma, é uma das minhas viagens de sonho ;)

Passa no meu blog, deixei-te lá um miminho :)

Beijinhos grandes **