segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Cinco Quartos da Laranja

Há muito tempo que não participo na nossa Academia dos Livros. Eu tenho lido bastante, mas a preguiça de postar sobre os livros tem sido muita. Desta vez fiz um esforço para combater essa danada da preguiça e aqui está o post.
Sugiro a leitura do livro Cinco Quartos da Laranja de Joanne Harris. Desta autora ainda só tinha lido Chocolate, que tinha gostado bastante e apesar de ela já ter publicado vários livros ainda não tinha voltado a ela.
Comprei o livro em inglês, o que para mim tem várias vantagens, é mais barato e permite o treino da língua inglesa, mas é óbvio que está editado em português.


É um livro muito belo, muito diferente de Chocolate, no sentido em que é mais duro, mais forte, mais amargo, mas parecido na abordagem de um universo mágico: a França campestre, com os seus aromas, os seus sabores, as suas paisagens e mitos. O rio Loire, os seus peixes, as suas correntes fortes, tornam-se personagens do livro, assim como Les Laveuses e Angers, as povoações onde a acção decorre. As pessoas têm nomes de frutos: Framboise, Reine-Claude, Cassis, Pistache, Prune… e os apelos ao paladar são tantos que ficamos com vontade de ir para a cozinha preparar geleias, crepes e toda a espécie de delícias.

Mas, no livro, estas delícias são temperadas com o azedume de uma relação gelada entre mãe e filhos. Framboise fala assim de sua mãe:
“Nunca vi a minha mãe chorar. Raramente sorria, e apenas na cozinha com a sua paleta de sabores na ponta dos dedos, falando para si própria – pensava eu – sempre no mesmo murmúrio monocórdico, dizendo os nomes das ervas e das especiarias – “canela, tomilho, hortelã-pimenta, coentros, manjericão, açafrão” – e fazendo comentários monótonos. “Vê o lume. Tem que estar na temperatura certa. Se estiver muito baixo a panqueca fica ensopada. Se estiver muito alto, a manteiga queima-se e a panqueca torra.” Compreendi mais tarde que ela estava a tentar educar-me. Eu escutava porque via nos nossos seminários da cozinha a única forma de ter um pouco da sua aprovação, e porque qualquer boa guerra precisa da sua ocasional amnistia. Receitas campestres da sua Bretanha eram as suas favoritas; as panquecas de milho sarraceno que comíamos com tudo, far breton, kouign amann e galette bretonne que vendíamos em Angers, juntamente com o nosso queijo de cabra, salsichas e fruta.”

Como só tenho o livro original, fiz uma tradução livre deste pedacinho, para vos dar uma pequena ideia desta obra. Espero que ela vos aguce o apetite para ler o livro e para cozinhar um crêpe framboise...


E como estou em maré de delícias gastronómicas francesas, não resisto a pôr aqui umas fotos duma sobremesa maravilhosa que a minha mãe fez e que eu adoro. Poires au vin rouge, ou como diz o meu pai, Pêras Bêbadas!


Eu acho que a minha mãe é uma grande cozinheira. Para mim a melhor comida do mundo é sem dúvida a da minha mãe. Mas os doces não são o seu forte. Mas se há sobremesa que ela faz bem é esta. É verdadeiramente divinal. E tem tudo a ver com o livro.

17 comentários:

ameixa seca disse...

Desculpa lá mas eu ainda estou à espera da sobremesa que comi em casa da senhora tua mãe e olha que era bem boa. É uma excelente cozinheira e eu não engordei porque estive aí pouco tempo he he
O livro é para eu publicar né?

Liliana disse...

Isabel, gostei muito da apresentação que fazes (acho que posso tratar-te por tu...) do livro. É curioso que, quando estava a ler o que escreveste, percebi que o tema das relações conflituosas mãe/filha é recorrente em Joanne Harris. Os sabores, os cheiros, as tradições, são, de resto, o que mais me agrada na escrita dela.

Quanto à sobremesa, tem um aspecto delicioso. Li este teu post antes do jantar e só agora resolvi comentar porque decidi armar-me em chef e estive também a preparar umas pêras, que, embora deliciosas, não ficaram com o mesmo aspecto das da tua mãe... Seja como for, obrigada pela ideia. :)
Um beijo

Cláudia M. disse...

Venho protestar:

1º - não me deram essas pêras a provar!

2º - é pena não teres o livro em português; fiquei com bastante vontade de o ler, mas em inglês... ia demorar uns bons meses!
Adoro tudo o que tenha a ver com a França campestre, fascina-me imenso. Qdo for grande, quero ver se vou lá passar uma temporada, talvez qdo me reformar...

bjs

Noémia disse...

Oh Isabel, tu nem sabes o que vieste despertar em mim ao trazeres este livro!
Pois não é que eu andei o mês de Julho a fazer um roteiro para a viagem que iria fazer, com a malta toda cá de casa, nestas férias, e seria "exactement" à Bretenha!
E não fui!:(
E vens tu, com esta traduçãozinha, trazer-me o perfume,os sabores, as cores dessa Bretanha que eu ansiava! Vou ter que ler o livro para compensar.:)

Isabel disse...

Sim, Ameixinha, quando puderes! Esqueci-me de te mandar a receita da mousse de manga :( Amanhã, sem falta!

Liliana, já tinha estado para te dizer para me tratares por tu, mas depois pensei que te sentisses mais confortável com um tratamento mais formal. Por mim é tu!!! Eu ainda sou uma miúda!!!
Fizeste as pêras em vinho tinto, mesmo? São deliciosas não são?

Pois é mana, esta minha mania de comprar livros em inglês!! Mas se encontrares na biblioteca em português, lê, porque é muito bom.

Noémia, apesar do livro não se passar exactamente na Bretanha, a mãe de Framboise é da Bretanha e cozinha as delícias da região. A Bretanha é sem dúvida uma região da França que também me atrai. É muito bonita.

Bjs

Maldonado disse...

As pêras têm um ar delicioso, mas não me atrevo a experimentar confeccionar esse doce, pois não tenho jeito para a cozinha nem faço esforço para adquiri-lo, apesar de fazer as minhas próprias refeições.
Quanto à autora em questão, já ouvi falar, mas ainda não li nada dela.

pepita chocolate disse...

Já li o livro e adorei! Aliás, Joanne Harris é uma das minhas autoras preferidas.

Quanto às P~eras, têm óptimo aspecto!

Beijoca!

Luciana Håland disse...

Oi Isabel, eu estou vendo Paraiso pelo You Tube, é boazinha, mas a primeira versão dela foi melhor, digamos que dessa vez não deu tanta liga, mas diverte, se você tiver tempo disponível veja, se ficar chata aí você larga a novela depois.
No Brasil vai comecar semana que vem outra no horário das 21 hs, Caminho termina, ainda bem, essa outra promete mais, espero que coloquem no you tube, porque vejo pelo you tube, é Viver a Vida, novela de Manuel Carlos, todas as outras que ele escreveu são ótimas, então essa deve ser também. Já tem uns videos no you tube, vou colocar no blog.
Depois volto pra comentar o post.
Beijo

Claudia disse...

Isabel,

Sabe que minha mãe sempre fazia peras ao vinho e meu pai amava. Eles adoram essa sobremesa enquanto eu detesto desde pequena. Não consigo gostar de fruta no vinho tinto doce e quente. Sei lá, me dá enjoo horroroso.

Mas o livro é bem interessante, assim, parece pelo que você descreveu...

Bj,

C.

Abóbora Amarelinha disse...

Olá cá estou eu!
E sabes como?
No meu blog eu vou fazer nova postagem aparecem as ultimas postagens vossas, se eu clicar no teu titulo consigo chegar aqui, mas se carregar no nome do teu blog, já não consigo, agora só me falsa saber se resulta com os outros blogs onde eu não consigo entrar.
Bem! eu estou aqui só resta saber é se o comentário vai sair.

beijinhos
beijinhos

Abóbora Amarelinha disse...

he he saiu mesmo!

Beth/Lilás disse...

Olá, Isabel!
Nossa, adoro este tipo de leitura!
Acabei, inclusive agora, O Arroz de Palma que conta a história de uma família portuguesa em volta deste precioso grão.
Será que temos aqui no Brasil este livro em português?
E essas peras, meu Deus, que delícia!
beijos cariocas

Isabel disse...

Maldonado, atreve-te a experimentar fazer doces, porque não? Se tens a abertura suficiente para preparares as tuas refeições também podes fazer umas delícias de vez em quando :) Esta é maravilhosa!

Pepita, pelo que já li até agora é bem capaz de se tornar uma das minhas preferidas também :)

Luciana, talvez essa do manuel Carlos me prenda a atenção. Eu custumo gostar das que ele faz, são muito boas!

Cláudia, eu acho que o vinho torna a pêra ainda mais divinal :)

Abóbora, ainda bem que conseguiste entrar! És sempre bem vinda :)

Beth, de certeza que este livro está traduzido no Brasil.
Esse outro que você falou parece interessante, é brasileiro? Vou pesquisar.
Bjs a todos

Luciana Håland disse...

Isabel, que delícia de sobremesa e de dica de livro, ainda estou fazendo minha listinha, aliás, ela não para nunca. Descobri uns aqui pela biblioteca, mas vou ter que esperar até dezembro, vou procurar algum dessa autora que você recomenda, quem sabe não encontro esse mesmo ou talvez Chocolate, ou me arrisco a ler em inglês.
Te cansa ler em inglês ou você gosta tanto da leitura em inglês como em português?
Beijo

Inside me disse...

É desta..é desta que leio o livro...

...Tá na estante... e em portugues...

Mas agora tenho um problema :-(

Não tenho peras bebadas para acompanhar... :-)

beijos

Sofia disse...

Anúncio:

Os Desabafos da Sofia mudaram-se para aqui:

http://alguma-incontinencia-verbal.blogspot.com/

beijinhos e abraçinhos

menoscaloriasmaisvida disse...

Conheci o eu bog através da Ameixinha. Gostei do blog e destas duas sugestões. Já li um livro desta autora ("Praia Roubada") e gostei muito, mas este ainda não li. Será uma das minhas próximas leituras. Quanto à pêras bêbedas. Adoro. Já fiz algumas vezes. Vou voltar.
Beijinhos.
Susana B.