quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Homens ao trabalho, já!


Toda a gente diz que o mundo muda muito depressa, mas eu acho que em algumas áreas o mundo muda muito devagar. Por exemplo, nos papéis sociais masculino e feminino e tudo o que esses papéis acarretam de trabalho doméstico para as mulheres e de inércia doméstica para os homens.

Como é que é possível que toda a gente continue a achar normal que as mulheres, para além de trabalharem fora de casa ainda tenham que fazer todas as tarefas domésticas e cuidar dos filhos praticamente sozinhas. E depois ouço coisas como: "O meu marido até ajuda, de vez em quando levanta os pratos da mesa". Que grande ajuda, digo eu!
Porque é que os homens podem só ajudar um bocadinho e são uns excelentes maridos e as mulheres se não fizerem tudo o resto muito bem feito são desleixadas e péssimas donas de casa?

Os homens não deviam ajudar, mas sim partilhar as tarefas domésticas. O casamento não é partilha? Então que se partilhem também as tarefas. Não é justo a mulher fazer 90%, o homem ajudar 10% e ficar com fama de ser muito moderno porque ajuda em casa.

Porque custa tanto a um homem passar umas camisas a ferro, aspirar o chão, ou passar um pano nos móveis para limpar o pó? Porquê?

Porque custa tanto a um homem mudar a fralda a um bebé, dar banho e a papinha, ajudar a vestir e etc? Porquê?

Vai deixar de ser homem? Vai perder a sua masculinidade?


E porque é que tantas mulheres perpetuam estes papéis infinitamente, aceitando fazer todas estas tarefas e educando os filhos homens de forma diferente das filhas mulheres no que diz respeito a estes aspectos domésticos?

Eu ainda vejo muito aquela atitude de "aprender a ser uma mulherzinha" sinónimo de aprender a cozinhar, a tratar de todos os aspectos domésticos em relação às raparigas e nada disso em relação aos rapazes. Eles jogam no computador e elas ajudam a mãe na cozinha. Assim a nossa sociedade nunca vai mudar.

Sigam os bons exemplos das fotos :)

13 comentários:

Abóbora Amarelinha disse...

Eu concordo na ajuda e na partilha, mas não concordo na substituição, eu tenho casais da idade da minha filha que ELAS querem que as coisa sejam feitas cada dia um, ou seja: elas dizem frazes como: não meu menino hoje é o teu dia de passar a ferro; hoje é o teu dia de levantar e pôr a chucha ao bebé; hoje é o teu dia de...e de... e de...
depois andam sempre de candeeias ás avessa, e lá vem a história de que " a sogra diz mal de mim) quando há por exemplo um furo, pode ser que com um bocadinho de sorte, tenha sido no dia dele!
Mas também vejo casais que me deliciam, dividem tudo e ajudam-se mutuamente.
Beijinhos partilhados he he

Cláudia M. disse...

Logo a palavra ajuda - quase sempre utilizada - já é um mau princípio.
Há homens que são muito elogiados por "ajudar" (nem que seja a levantar os pratos da mesa...) mas o que têm que fazer não é ajudar, é fazer a parte deles. Ajudar já pressupõe que a obrigação do trabalho doméstico é da mulher, eles só estão a fazer um favor, até são muito bonzinhos, porque ajudam!
E sim, a culpa/responsabilidade é de quem os educa. Vê.se muito, mas mesmo muito, educação e hábitos diferenciados para os "meninos" e para as "meninas". Os mais velhos é pq antigamente "era assim", mas entre os jovens a história é quase sempre a mesma, aliás até noto um retrocesso, acho que as mentalidades já foram mais abertas.
Assim não dá! :)

ameixa seca disse...

Cá para mim, acho que tu e eu temos o mesmo "trauma" em relação aos homens. É que a minha revolta é a mesma! Tenho dois irmãos homens que nunca fizeram ponta de um corno cá em casa mas eu era obrigada pelo meu pai a fazer tudo que fosse tarefa doméstica. Por isso é que, hoje em dia, não é qualquer um que me serve. Eu cá só me deixo levar se for por um gajo em condições, isto é, que partilhe :) Convenhamos que não há muitos. Acho que é por isso que continuamos solteiras. A dobrar cuecas dobramos só as nossas he he

Luciana Håland disse...

Na minha família era bem assim, os meninos, tenho três irmãos, não podiam fazer nada, não queriam e não deviam, porque era trabalho de mulher, coitados deles, foram educados assim. O do meio cresceu e resolveu ser organizado, mas ainda não casou, o mais velho morou sozinho e se virava, sei lá como, mas tinha faxineira, casou e a mulher também não faz nada, eles tem empregadas e babá, bem classe mérdia, e o mais novo continua nas abas da mãe que faz tudo.
Aqui na Noruega os homens fazem a parte deles, botam a mão na massa mesmo, mas ainda assim, as estatísticas mostram que as mulheres trabalham praticamente o dobro do que os homens nas atividades domésticas, mas acho ainda muito positivo que eles dividem bem os afazeres de casa e cuidam mesmo das criancas, aí tem as excecões que são o que vão dar esse diferencial nas estatisticas.
Aqui em casa eu faco mais que marido, mas por vontade de fazer, gosto de fazer do meu estilo, mas também somos só dois, marido organizadíssimo, não uso mais do que 20 minutos diários para dar uma geral na casa. E o que eu não gosto empurro pra marido fazer, como trocar a roupa de cama, odeio.

Beijo

Isabel disse...

Abóbora, isso assim é muito complicado, um dia para um e um dia para o outro, acho que não funciona!!!

Cláudia, era mesmo essa a ideia que eu queria passar, mas tu foste mais eloquente, hihi. O conceito de ajuda é que está errado, pressupõe que é dever dela , mas ele como é muito bonzinho dá uma ajuda.
O problema vem também da educação, isso é certo, e assim o problema vai perpetuar-se :(

Ameixa, haver homens de jeito há, temos é que procurar tipo agulha num palheiro, hihi
Deixa lá que mais vale só que mal acompanhada :)

Luciana, eu acho que nos países aí do norte os homens são mais amigos de partilhar as tarefas do que por aqui. Têm o espírito mais aberto, eu acho.
Por aqui e noutras sociedades latinas, o machismo ainda se faz sentir de forma muito forte :(

Bjs e ponham os vossos homens a trabalhar, hihi

Beth/Lilás disse...

Querida amiga,
Também acho que o papel masculino, em algumas culturas, não é muito participativo em casa. Pelo que percebi por aí e aqui, os homens ainda acham que as mulheres tem que fazer de um tudo dentro de casa, mas acho também que cabe à mulher dar um 'chega prá lá' nesta situação. Tem que decidir, ou trabalha fora ou dentro. O que não achojusto é essa coisa de mulher que se esfola o dia inteiro, levantando cedo, indo pro trabalho, na volta cuida da casa e das crianças e comida.
Pera lá! Aí não dá mesmo!

Tenho uma amiga que soube direitinho organizar isto com o marido e os dois se revezam muito bem desde quando as suas garotas eram pequeninas. Hoje, com elas mocinhas, todos na casa dela trabalham juntos e para o bem estar da casa e da família.
Esta minha amiga é portuguesa de nascimento e o marido também, então veja que mesmo tendo sido acostumado, ele o marido, numa cultura machista, modernizou sua cabeça ao casar e sentir que precisava ajudar sua mulher, já que ela o estava ajudando também, trabalhando fora.

Acho que tudo isso vai do amor e carinho que um tem pelo outro, sabia.

beijinhos cariocas

Liliana disse...

Isabel,
Muita razão no que escreves! De facto, em termos gerais, ainda existe muito essa mentalidade de que o trabalho de casa é para a mulher. Felizmente, vai-se assistindo a algumas mudanças. Conheço alguns bons exemplos e são esses que me fazem ter esperança num futuro mais igualitário.
Afinal, poucas são as mulheres que se dão ao "luxo" de serem donas de casa. Hoje em dia, tem tudo de trabalhar... :) Beijoca

Inside me disse...

... espera um bocadinho que vou já!! :-)

Concordo contigo no que dizes.

E não querendo desculpar os homens ou entrar em disputas com as senhoras

Mas muitos desses comportamentos nos homens são induzidos pelas mulheres:
-Seja por educação das mães, no tratamento dos filhos de maneira diferente por ser menino ou menina.
-Seja pelas esposas/parceiras que vão fazendo "as vontades" aos maridos/parceiros.

E quando digo fazendo as vontades, digo tomarem para si essas tarefas, seja porque o homem não se ajeita, seja pelo homem não ser perfeito na execução das mesmas como ela gosta, talvez acima de tudo por não haver dialogo, conversarem mesmo sobre este assunto. E claro bom senso!

Infelizmente é assim, e alguns homens tambem se fazem meio surdos... por isso não se esqueçam de lhes dizerem umas palavras aos ouvidos :-)

Depois o habito faz o monge.

Beijos

Isabel disse...

Beth,
é isso, as mulheres têm o futuro na mão. Se educarem os seus filhos de forma igualitária, estas descrepâncias vão desaparecer.

Liliana,
nos dias de hoje só uma minoria das mulheres não trabalha. É injusto que a grande maioria tenha que trabalhar em jornada dupla, não é?

Inside,
é isso mesmo, o hábito faz o monge. Os homens estão mal habituados, mas quando as mulheres começarem a educá-los bem, isto vai lá :)

Raul disse...

Continuem as senhoras com essas mentalidades que o homem se deve substituir às mulheres e depois chorem baba e ranho que o casamento não funcionou. Ah e já agora se casarem com o gajo bom esqueçam lá as tarefas é o que o gajo bom foi educado para ser bom e nada mais...

Isabel disse...

Raul, sem comentários...

Claudia disse...

Isabel,

adorei a postagem, eles abusam mesmo mas há muita culpa no cartório das mães e mulheres. Não posso reclamar pois meus maridos, não tive só um, sempre foram grandes parceiros na administração do caos doméstico. O Per aqui é a faxineira da casa, eu não limpo nada, nem me perturbo, ele é quem limpa. Não limpa tão bem, mas não me abalo, ele faz e pronto. E eu ainda deixo a minha parte sempre para trás já que detesto fazer limpeza por exemplo. Eu passaria a roupa da minha rua inteira para não ter que limpar chão nem tirar pó!!!
Já o papel central na administração da vida das crianças é meu, minha prioridade, não passo a bola para ninguém, nem para o pai!!!!

Beijos,

C.

Isabel disse...

Claudia,
vou tentar organizar uma migração em massa de homens noruegueses solteiros para Portugal. É que com os portugueses não vamos lá!
Achas que eles aceitavam? O clima é mais simpático e as mulheres portuguesas são muito interessantes, rsrs

Em relação ao consumo, concordo completamente contigo. Nós consumimos em excesso. É horrível a quantidade de embalagens de plástico que trazemos para casa. Quando penso nas quantidades de lixo que as cidades grandes produzem fico de cabelos em pé!!
Acho que temos que minimizar, mas não em relação à comida, claro!
Bjs