sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Rimas à moda alentejana


Depois de ver um post da nossa Ameixinha com umas rimas sobre o estado de saúde do seu querido gato Matias e ver que ela rima tão bem, lembrei-me de escrever sobre as rimas da minha mãe. A minha mãe faz uma coisa prodigiosa para mim que é rimar de improviso.

No Alentejo existe a tradição de fazer rimas sobre tudo e sobre nada. E é incrível como os alentejanos rimam de improviso, como conseguem criar rimas fantásticas com uma rapidez surpreendente.

É engraçado como a minha mãe, tendo nascido na Beira Alta, apanhou esse jeitinho alentejano de ser. Adora fazer rimas, e saem-lhe com imensa facilidade. Estas que se seguem foi ela que fez.



E não é que estão mesmo ao melhor estilo de improviso alentejano, até consigo imaginar um senhor com a pele curtida do sol, com uma boina na cabeça, encostado a um cajado, à sombra de uma oliveira, com o seu profundo sotaque alentejano a dizer as primeiras rimas. As últimas já são a beirã a falar.

Ó meu querido Alentejo,
minha hortelã, meu poejo,
todo tu és horizontes,
tens chaparrais e tens montes,
todo tu verde e dourado,
todo tu és pastorícia,
dos teus rebanhos de gado.

Tua grande imensidão,
gente de bom coração,
gente de paz e amor,
meu celeiro da nação.

Eu cá tenho consciência,
que não sou tua pertença,
mas gosto muito de ti,
desde o dia em que te vi.

Mas já lá vão tantos anos,
tenho cá minhas raízes,
e quando por cá estamos,
estamos bem, estamos felizes.


Rimas improvisadas por Hortense Marques num quintal alentejano num fim de tarde ameno. A minha mãe improvisou-as e depois eu fui a correr buscar um caderno para ver se ela conseguia lembrar-se e escrever. E conseguiu.

7 comentários:

ameixa seca disse...

Eu sempre disse que tinha uma costelinha Alentejana :) A tua mãe é uma querida e adorei conhecê-la. Espero voltar a vê-la e ao teu pai um destes dias :) Será que se eu a desafiar ela faz uns versinhos dedicados à Ameixinha? he he

Noémia disse...

Ah, grande poeta, a tua mãe!
Estão lindos!
Também eu fico encantada com a facilidade com que algumas pessoas versejam, é espantoso!

Gina disse...

Isso é talento!
Meu pai cantava e declamava, mas não rimava (até rimou!). Já o meu filho faz poesia, crônica e música. Herdou do avô.
Essas coisas mostram o prazer que a pessoa tem de viver.
Dê os parabéns a D. Hortense!
Bjs.

Beth/Lilás disse...

Ah, Isabel isto é lindo, sua mãe é uma poetisa nata então!
Reparo que os portugueses, principalmente os mais velhos, têm esta facilidade e conheço pelo menos dois aqui no Brasil que assim o fazem.
Que maravilha este dom, parabéns a tua mãezinha!
bjs cariocas

Raquel Mendonça disse...

Eu adoro essa alma poeta portuguesa. Muito lindo. beijinhos

Heloísa disse...

Isabel,
Que rimas interessantes!
Sua mãe é uma poeta talentosa.
Parabéns.
Beijo.

Inside me disse...

Sim senhora que belas rimas as da tua mãe!!!

Mais impressionante é lembrar-se das rimas improvisadas.

Muito bom

Beijos