quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Com que voz


Adorei o documentário sobre o compositor Alain Oulman, autor de muitos clássicos da música portuguesa, como por exemplo Gaivota, na minha opinião o mais belo fado de todos os tempos. Nicholas, o seu filho mais velho e realizador do filme, leva-nos por uma viagem que explica a história da família Oulman, a sua vinda para Portugal, o nascimento de Alain e de seus irmãos e de todo o seu percurso de vida, o casamento e os filhos, mas principalmente o seu amor à arte, à música e à literatura. O seu percurso profissional foi sempre duplo, enquanto trabalhava para o negócio da família durante o dia, compunha para Amália durante a noite. E foi através do trabalho inovador deste homem, que musicou sempre grandes poetas, desde Camões, até Alexandre O'Neill, passando por David Mourão Ferreira e tantos outros, que a música tradicional portuguesa deu um pulo em frente e se tornou maior na voz da nossa grande diva, Amália Rodrigues. Muito, muito bom. Vale a pena.

9 comentários:

Lúcia Soares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lúcia Soares disse...

Isabel, comentei mas depois resolvi primeiro ler sobre o Alain, que não conhecia e apreciei saber de sua vida.
Procurei a música Gaivota, na voz de Amália Rodrigues, que sei que é um mito em Portugal.
Depois, achei uma versão com a moça Sónia Tavares, que também não conhecia e fiquei maravilhada com a vida que deu à música. O que achas?
(só achei que ela usa a respiração muito ruidosamente, mas a voz é belíssima assim mesmo!).
Fiquei apaixonda pela música e pelas vozes.
Obrigada por me mostrar mais de Portugal, através de tão maravilhosos artistas.
Beijo!

Cláudia M. disse...

Ainda bem que gostaste, quase te obriguei a ir ver... :))
Também adoro o Gaivota, é maravilhoso. Houve tempos em que me imaginava a viver no estrangeiro, e se ouvisse essa música, debulhava-me em lágrimas, com toda a certeza! "Se uma gaivota viesse, trazer-me o céu de Lisboa..." Ah, o nosso Fado!
Também gostei muito do documentário. Claro que o Nicholas Oulman "usa" um bocado a imagem da Amália para fazer chegar o filme a um público mais vasto, mas ninguém pode negar que o relacionamento entre eles (apenas artístico, penso eu) foi grandioso, e de certa forma eles são indissociáveis.
E pronto, é isso, gostei, adorei saber mais sobre o Oulman, adoreeeeeei as irmãs dele, adoooooro a Amália, enfim! Nasci perto da Mouraria...

Isabel disse...

Lúcia, que bom que você gostou da Gaivota. Sónia Tavares também tem uma voz maravilhosa, mas claro que Amália só houve uma.

Sister, nascemos perto da Mouraria, mais lisboetas que nós não há!!

ameixa seca disse...

Quero ver, adoro fado, Amália e os seus grandes compositores e poetas. Isto é Portugal positivo :)

Pitanga Doce disse...

Isabel, esta foto que tens no topo o blog foi tirada lá de cima do Elevador de Santa Justa?

Há comentário no post abaixo.

Abraços pitangueiros

Isabel disse...

Ameixinha, mas que gira que estás na foto :)) Vê o doc, vais gostar de certeza.

Pitanga,
a foto foi tirada no Elevador de Santa Justa sim, conheces bem Lisboa?

Pitanga Doce disse...

Isabel, infelizmente não conheço tanto Lisboa quanto gostaria. Estive aí em 2009 para conhecer duas amigas muito queridas da blogosfera e nos encontramos na Estação do Oriente. Depois fiquei tres dias no Parque das Nações e aí fui até à baixa e tal...
Quando vou a Portugal fico mais para o Centro.

Bom teres ido ao Pitanga.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Que bacana! não sabia desse documentário, vou procurar!

aqui no Japão a música Gaivota faz muito sucesso.
Foi gravada em japonês por Chiaki Naomi, vários cantores... entre outros fados famosos.
vou deixar o link aqui de uma postagem que fiz, tem este fado.

http://lostinjapan.portalnippon.com/2010/04/revolucao-cravos-japao-fado.html

bjs