domingo, 16 de novembro de 2008

Cristina

A doença, a inesperada doença que surgiu como um terrível soco no estômago. A velocidade com que esta atropelou tudo e todos. A espera, a terrível espera pela notícia que já se sabe que se vai receber, mas que no fundo não se quer receber nunca. O medo de que o telefone possa tocar. O medo de chegar ao hospital e ele já não estar vivo. Tudo isto eu compreendo. Tudo isto eu sofro quase como se eu fosse tu. Da minha boca só ouves palavras de encorajamento porque as outras não digo na esperança de que um abraço apertado to diga. Tudo isto tu sabes porque uma amizade de trinta anos já não precisa de palavras. Basta um olhar, basta uma mão na mão, basta um abraço. Estou aqui e tu sabes.

2 comentários:

Inside me disse...

Há coisas que não se dizem........sentem-se............Força Cristina

Sofia disse...

Pensamento positivo.
Melhores dias virão...